Terça, 27 de Fevereiro de 2024
(75) 99168-0053
Polícia El Patron

Entenda ponto a ponto a investigação da PF contra o deputado Binho Galinha

Cinco pessoas estão presas, entre elas o filho do parlamentar Kleber de Almeida, conhecido como Binho Galinha. Esposa foi solta com uso de tornozeleira eletrônica

09/12/2023 13h42 Atualizada há 3 meses
176
Por: Hely Beltrão Fonte: Conectado News
 Foto: Agência Alba
Foto: Agência Alba

O deputado estadual Kleber Cristian Escolano de Almeida, conhecido como Binho Galinha, é investigado pela Polícia Federal como chefe de uma milícia responsável por lavagem de dinheiro em Feira de Santana.

Na quinta-feira (7), seis pessoas, entre elas o filho de 18 anos e a esposa do parlamentar, além de três policiais militares foram presos suspeitos de participação no grupo. Quatro pessoas estão foragidas. A esposa de Binho Galinha, identificada como Mayana Cerqueira da Silva, de 43 anos, teve prisão convertida para domiciliar porque tem uma filha ainda criança.

Já o filho João Guilherme Cerqueira da Silva Escolano, de 18, teve a preventiva mantida e foi encaminhado para o presídio em Salvador.

Foto: Redes Sociais 

O parlamentar não foi preso por causa do direito ao foro privilegiado. Ele informou que está à disposição da Justiça e que os fatos serão esclarecidos. Além disso, afirmou que as atividades legislativas seguirão sem alterações nos próximos dias.

Investigações

As investigações apontaram que o grupo é suspeito por lavar dinheiro de jogo do bicho, agiotagem, receptação qualificada e desmanche de veículos. Em um dos imóveis inspecionados pela Polícia Federal, foram encontradas milhares de peças de carros.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão e prisão, feitos na quinta-feira, diversos bens dos investigados foram bloqueados. Confira:

  • bloqueio de R$ 200 milhões;
  • bloqueio de 26 propriedades urbanas e rurais;
  • 10 mandados de prisão expedidos;
  • 35 mandados de busca e apreensão expedidos;
  • suspensão das atividades econômicas de seis empresas.

Revenda de peças roubadas

Segundo a denúncia do MP-BA, a investigação apontou que Binho Galinha lavava dinheiro por meio de empresas e vendia peças de carro roubadas na loja sua loja de autopeças, Tend Tudo, em Feira de Santana.   A Polícia Federal analisou dados bancários e descobriu que a Tend Tudo recebeu R$ 40,7 milhões sem lastro suficiente de notas fiscais emitidas. Os auditores avaliaram que há indícios de movimentação financeira incompatível com a receita bruta declarada pela loja de autopeças. A Tend Tudo ainda recebeu créditos de outras duas pessoas que tinham registros criminais de receptação qualificada e organização criminosa. 

Em 2020, a empresa emitiu nota fiscal no valor de R$ 3 milhões por causa da venda de mil cabines de caminhão, cada uma com valor de R$ 3 mil. Os auditores apontaram que não existia comprovação da entrada dos recursos na empresa e que não há vestígios de compra de cabines suficientes para revenda ou de material para a fabricação.

Elos na recepção das peças roubadas

Um dos elos na receptação de peças roubadas seria Kleber Herculano de Jesus, conhecido como "Compadre Charutinho". As investigações apontaram que o denunciado seria o responsável pela aquisição das peças vendidas para Tend Tudo, comandada por Binho Galinha e Mayana Cerqueira. "Compadre Charuto", conforme a denúncia do MP-BA, tinha um "vasto histórico" de crimes contra o patrimônio e relação próxima com o deputado Binho Galinha.

A operação

Foto: Ministério Público da Bahia 

Quinze pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) e são investigadas. Dez mandados de prisão preventiva foram expedidos e seis prisões concluídas - entre elas, a da esposa e do filho de Binho Galinha. Quatro pessoas estão foragidas.

Além dos familiares do suspeito, três policiais militares, identificados como Jackson Macedo Araújo Júnior, Josenilson Souza da Conceição e Roque de Jesus Carvalho, que formavam o "braço armado" da milícia estão entre os presos. Eles estão na Coordenadoria de Custódia Provisória.

A função que eles desempenhavam no grupo. Entenda:

  • João Guilherme Cerqueira da Silva Escolano: filho do deputado estadual. Ele era responsável por receber o dinheiro do crime desde quando ainda tinha menos de 18 anos. Ele repassou para o pai cerca de R$ 474 mil.
  • Mayana Cerqueira da Silva: esposa do deputado estadual. As investigações apontaram movimentação financeira incompatível com os rendimentos declarados à Receita Federal e a maioria das transações feitas por ela envolvem os outros suspeitos.
  • Jorge Vinícius de Souza Santana Piano: principal operador financeiro da organização criminosa e amigo de Binho Galinha. Conforme investigações, ele movimentou mais de R$ 39 milhões, o que não condiz com o que foi declarado à Receita Federal.
  • Jackson Macedo Araújo Júnior: conforme investigações, ele movimentou quase R$ 4 milhões, o que não condiz com a condição econômica declarada à Receita Federal.
  • Josenilson Souza da Conceição: bacharel em direito, o suspeito movimentou em suas contas pouco mais de R$ 1,7 milhão, o que não condiz com o que foi declarado à Receita Federal.
  • Roque de Jesus Carvalho: movimentou mais de R$ 9 milhões entre janeiro de 2013 e março de 2023, o que não condiz com o que foi declarado à Receita Federal nestes 10 anos.

Posicionamentos

Deputado Binho Galinha

"Tendo em vista as denúncias feitas pelo Ministério Público Estadual (MPE) e que a pedido da Justiça estão sendo apuradas, com ações no dia de hoje (07) pela Policia Federal, Receita Federal, e o próprio MPE em Feira de Santana e região, o deputado estadual Binho Galinha vem a público esclarecer que está a inteira disposição da Justiça da Bahia, e que tudo será esclarecido no momento próprio. Mantemos nossas atividades pessoais e legislativas sem alteração. Confio na Justiça e estou à disposição para dirimir dúvidas e contribuir quanto a transparência dos fatos. No mais dizer que nosso jurídico está tomando as devidas providências para junto a Justiça prestar os esclarecimentos."

Filho e esposa do deputado estadual

O advogado Rafael Esperidião emitiu a seguinte nota:

"A defesa que patrocina Mayana Cerqueira e João Guilherme Cerqueira , esclarece que a analisará tudo e o todo que foi anexado aos autos, assim que lhe for franqueada vista da íntegra da documentação. Ademais, é importante frisar que qualquer conclusão nesse momento será meramente especulativa e temerária. Ademais, os acusados se resguardam ao direito de se manifestar no momento processual adequado sobre o que for necessário à elucidação dos fatos e demonstração da verdade. Além disso, se colocam desde já a disposição da justiça, colaborando no que for necessário No mais, reservar-se ao direito de se manifestar apenas em momento oportuno nos autos do processo".

Assembleia Legislativa da Bahia

A Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) informou que não sabia da operação da Polícia Federal e que não haverá nenhum tipo de sanção ao parlamentar enquanto durarem as investigações. Confira íntegra abaixo:

"A Assembleia Legislativa da Bahia não foi informada, muito menos citada, a respeito da Operação realizada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira (07/12). As investigações estritamente ocorrem no âmbito policial. Caso a ALBA seja notificada ou instada a se pronunciar, o fará de pronto. O Regimento Interno da Casa não prevê nenhum tipo de sanção a parlamentares durante o transcorrer de investigações".

Fonte: G1 Bahia

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.