Sábado, 25 de Maio de 2024
(75) 99168-0053
Feira de Santana Educação

Professores protestam por melhores condições e devido pagamento dos precatórios

Diante de um aumento insuficiente e falta de concursos, educadores baianos exigem respeito e ajustes significativos nas políticas governamentais.

14/05/2024 16h41
Por: Heber Araujo
Conectado News
Conectado News

Professores do estado da Bahia se reuniram, na tarde desta terça-feira (14), em frente a Assembléia Legislativa da Bahia em manifestação contra as recentes decisões do governo do estado em relação ao pagamento dos precatórios. A categoria, que paralisou as atividades escolares há dois dias, rejeita o aumento de 5,69% oferecido pelo governo, considerando-o insuficiente diante das perdas acumuladas ao longo dos anos e reivindica um reajuste de no mínimo 10%.

 "Estamos aqui com o Televê-Sindicato e outros sindicatos, de saúde e servidores públicos da Bahia, protestando contra o reajuste salarial. As escolas estão paralisadas, e a situação dos precatórios também é grave", explicou Marlede Oliveira durante o protesto.

Eles argumentam que os valores pagos em 2022 e novamente este ano não incluíram os juros de correção, resultando em prejuízos significativos para os beneficiários. "Em 2022, sem os juros, um professor que deveria receber 90 mil recebeu apenas 30 mil. Isso é injusto e estamos buscando correções através da justiça", afirmou Oliveira.

Além das questões salariais e de precatórios, a manifestação também tocou em pontos críticos como a falta de concursos públicos para a saúde e educação desde 2008, e a prevalência de contratos temporários na educação. “Queremos garantir que o servidor público seja valorizado, não apenas com salários justos, mas também com a abertura de concursos que garantam estabilidade e promovam a melhoria dos serviços públicos”, reforçou Oliveira.

Os protestos continuam enquanto os professores buscam diálogo com o governo para resolver essas questões. A Assembleia Legislativa da Bahia ainda não se manifestou sobre os protestos, que prometem seguir enquanto não houver uma resposta satisfatória às reivindicações da categoria.

 

Reportagem Luiz Santos. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.