Domingo, 14 de Agosto de 2022
(75) 99168-0053
Feira de Santana CPI Saúde

Câmara de Feira pedirá junto a PF o afastamento do Prefeito, afirma Fernando Torres

Sexta (05)

05/08/2022 17h06 Atualizada há 1 semana
Por: Hely Beltrão Fonte: Conectado News
Edvaldo Peixoto
Edvaldo Peixoto

Em coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (05), o vereador e presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Feira de Santana, Fernando Torres (PSD), juntamente com o vereador Ivamberg Lima (PT), comentaram os desdobramentos da operação realizada na quinta-feira (04) pela Polícia Federal para investigar supostos desvios de dinheiro público  na saúde.

Saiba mais: Operação da PF afasta dois secretários municipais em Feira de Santana                                              Prefeitura cumpre decisão judicial e afasta secretários investigados em operação da PF 

Fernando Torres afirmou em entrevista, que a presença da PF em Feira de Santana, foi motivada por denúncias feitas por ele, a exemplo da venda do Hospital HTO.

"A ação da Polícia Federal na quinta-feira (04) em Feira de Santana foi motivada pela denúncia do vereador Fernando Torres, que investigou e comprovou indícios de crimes cometidos pelo secretário Marcelo Britto e pela Prefeitura e há mais dados para  serem enviados à Polícia Federal, a exemplo da venda do Hospital HTO, e vários outros crimes que cometeram nessa gestão", disse.

A Câmara vai pedir o afastamento do Prefeito?

Fernando Torres - Não, a Câmara não pode pedir o afastamento do prefeito, pode pedir a cassação se comprovado crimes, quem pode pedir o afastamento é a justiça federal, a Câmara vai pedir a Polícia Federal, que entre com o pedido junto a justiça federal e afaste o prefeito por 90 dias, para que não haja possibilidade de interferência,  podendo a Polícia Federal fazer melhor o seu trabalho. 

Essas supostas irregularidades contribuem para a comissão que foi criada para tratar sobre o impeachment do prefeito?

Fernando Torres - A comissão foi criada agora, tem o prazo de uma semana para que possa analisar o afastamento do prefeito, são muitos crimes cometidos por essa gestão, é por isso que nós fizemos uma comissão oficiosa,  para analisar todos os crimes que o prefeito está cometendo e analisar se a Câmara coloca o afastamento do prefeito ou não em Pauta Eu, como presidente da Câmara não serei irresponsável em colocar uo afastamento de o prefeito sem que ele tenha cometido crime algum, é por isso que criei essa comissão com vereadores que são a favor e  contra o governo,  para analisar os prováveis crimes que ele cometeu, se cabe o afastamento ou não. 

O que foi apurado sobre a compra e venda do HTO?

O que a Polícia Federal investigou foi a denúncia do vereador Fernando Torres, e ainda vem  a apuração da CPI, e um dos itens foi a venda do HTO, uma venda fictícia, um hospital que vale mais de 15 milhões de reais, foram vendidas 06 cotas de 17.000 e quem comprou foi um parente do secretário, está muito evidente, qualquer leigo, não precisa entender de economia, verá que a venda foi uma simulação, para que o secretário continue no cargo, mandando recursos para o HTO. Comprovando a nossa denúncia, sobre a transação fictícia, as notas da venda também são fictícias, para que a população de Feira pudesse pagar. Isso cabe prisão do secretário e de outros membros da Prefeitura.

Leia aqui: "Vinda da PF a Feira de Santana, tem tudo a ver com a CPI da Saúde", diz vereador Silvio Dias

Vereador Ivamberg Lima

"O presidente solicitou a Comissão Parlamentar de Inquérito que faça um documento solicitando o afastamento do prefeito por 90 dias para que as investigações não sejam prejudicadas. Faremos esse documento e entregaremos a Polícia Federal para que a justiça possa então, fazer esse afastamento, não temos esse poder, mas solicitaremos a Polícia Federal que o faça". 

Sobre o vídeo que o prefeito divulgou afirmando que as investigações da PF não tinha relação com a CPI da Saúde?

Ivamberg Lima - Os documentos, o release que foi publicado pela PF, trouxe trechos do nosso relatório e isso prova que eles devem ter lido  o relatório que foi publicado no dia 29 do mês de julho e acompanhado também oitivas que foram públicas, nas oitivas que evidenciamos que o secretário Marcelo Britto não tinha nenhuma prova da realização daquela consultoria, não conhecia ninguém, não tinha relatório final, afirmava que o  serviço que ele prestava era de ortopedia e aquela UPA (Unidade de Pronto Atendimento) não tinha ortopedia, era um serviço remoto, analisar radiografias, orientar médicos para fazer procedimento de ortopedia, quando naquela UPA não tinha. Acredito que eles acompanharam nossas oitivas, e com certeza isso ajudou nas investigações para que essa operação fosse deflagrada. 

Quais os crimes apurados por esse relatório final da CPI que serviram de base para a Polícia Federal?

Ivamberg Lima - Peculato, quando o funcionário público se aproveita do cargo para obter vantagens, Marcelo Britto quando ainda não era secretário, já prestava esse serviço a UPA ou não prestou, como foi evidenciado e se valeu da condição de secretário para receber essa nota que foi assinada e autorizada pelo secretário Denilton Brito e  por isso foi afastado, ele tanto autorizou a empresa GSM ser contratada pela Insaúde, quanto autorizou o pagamento da nota. 

O empresário Jodilton Souza, que fez a compra do HTO, também está sendo investigado? 

Ivamberg Lima - Até onde li, na PF, não. Em nosso relatório, o citamos como comprador, por que no relatório mencionamos uma simulação inicial de venda que o secretário fez para uma parente, no qual ele disse ter sido R$ 15 mil por cota, mas o valor seria R$ 17 milhões, depois ele disse que essa parente vendeu a Jodilton. A Receita Federal vai ter que quebrar sigilo bancário deles para ver realmente se foram R$ 15 mil por cota ou 15 milhões a operação inteira.

A CPI da saúde já finalizou os trabalhos, ou ainda continua?

Ivamberg Lima - Já finalizamos, passamos do prazo regimental que são 120 dias, 90 mais 30, já fizemos o nosso relatório, o próximo passo é fazer esse relatório chegar de forma física nos órgãos de pertinência para que a investigação possa continuar. 

Confira as entrevistas na íntegra em nosso podcast.

Reportagem - Edvaldo Peixoto e Hely Beltrão

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.