Quarta, 20 de Outubro de 2021
(75) 99168-0053
Anúncio
Polícia Bandeira partidária

"A colocação do tenente-coronel Amon foi infeliz, ele sabe que nos governos têm política", diz ex-comandante Geral da PM da Bahia

O ex-comandante Geral da Polícia Militar da Bahia (PM), coronel Anselmo Brandão

14/10/2021 10h59 Atualizada há 4 dias
Por: Ana Meire Fonte: Conectado News
Foto Engledy Braga
Foto Engledy Braga

 

O ex-comandante Geral da Polícia Militar da  Bahia (PM), coronel Anselmo Brandão, em entrevista ao Conectado News, afirmou que irá continuar servindo a sociedade baiana, mesmo estando aposentado.

Anselmo Brandão integrou a PM por 38 anos. Comandou a Academia de Polícia Militar e o 18º Batalhão da PM do Centro Histórico, além de coordenar a implantação do programa federal Território de Paz na 23ª Companhia Tancredo Neves, em Salvador. Liderou a 11ª Companhia Independente da Barra e a 10ª Companhia Independente de Candeias. Antes do Comando-Geral da PM-BA, dedicou-se ao trabalho como comandante do Policiamento Regional Atlântico  da capital baiana.

Entrevista ping-pong com o coronel da Polícia Militar da Bahia Anselmo Brandão

Como está sendo a vida de aposentado? 

-Eu deixei o comando vai fazer 8 meses, sair da corporação após 6 anos de comando, nos últimos 100 anos, fui o comandante geral mais longevo da Polícia Militar. Sentimento de missão comprida e felicidade, chegou o momento de partir para novas empreitadas da vida. 

Como o senhor avalia a questão da violência no Brasil, especificamente na Bahia?

-Estamos passando por uma situação difícil no país, porque não se pode tratar segurança pública se não for de maneira sistêmica, todos os entes precisam estar envolvidos. Todos os problemas que vem acontecendo no país sempre caem na conta das polícias, pois somos o único órgão de ponta, que estamos nas ruas, mas precisamos trabalhar em conjunto e a violência como um problema de estado. Não sabemos onde vamos parar, o grande problema da violência está nas drogas.   

O atual secretário de Segurança Pública do Estado da Bahia, Ricardo Mandarino, é a favor da descriminalização da maconha, qual a sua opinião sobre isso? 

-Eu, Coronel Anselmo como cidadão, digo todos os dias, sou contra, mas temos que fazer um debate, pois a sensibilização é importante, sou contra porque o estado não tem estrutura de controle, nós somos muito frágeis, como vamos conseguir controlar a venda de drogas, já que não conseguimos controlar nem a do cigarro. Precisamos pensar nas pessoas. 

Recentemente em entrevista ao jornalista Luiz Santos do site Conectado News, o tenente-coronel reformado  da Polícia Militar da Bahia, Amon Pereira, declarou que só se chega ao posto de coronel, quem balança bandeira partidária O senhor precisou levantar alguma bandeira partidária para se tornar coronel?

Relembre aqui 

https://www.conectadonews.com.br/noticia/9469/qmeu-desejo-era-ser-coronel-mas-precisaria-levantar-alguma-bandeira-politica-rafirma-tenente-coronel-amon-pereira

- A colocação dele foi muito infeliz, ele sabe que nos governos têm política, não existe esse negócio de ter bandeira partidária para se tornar coronel, pelo contrário, eu fui coronel, fui comandante geral e o governador nem me conhecia, fui entrevistado e escolhido, acredito que Amon falou isso pois devia está chateado com algumas situação.

A Polícia Militar feminina da Bahia, já tem mais de 30 anos atuando, porque ainda não temos uma mulher coronel na Polícia Militar? 

As mulheres, como vieram depois, é necessário ter todo um regramento para ter acesso ao quadro, e ser tenente-coronel. Mas temos a Dra Suzana, ela é médica e tenente-coronel. E se tiver alguém concorrendo, o governador irá promover. Não existe  machismo, é porque precisam ser habilitadas para serem coronéis. Eu fui promovido a coronel com 30 anos de serviço, e a média para ser coronel por idade, é em torno de 48, 50, 51 anos. 

Como estão os bastidores da sua pré-candidatura à deputado federal 

-Já lancei minha pré-candidatura, estou procurando partido, até agora não encontrei nenhum que viabilizasse a minha candidatura. Estou procurando e por questões de coerência, gratidão e reconhecimento dentro da base de Rui Costa, mas até  o presente momento ainda não encontrei nenhum, mas até o fim do ano deve surgir uma luz.

 

Reportagem Engledy Braga

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.